quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

22.12.2010

Com o ano de 2010 prestes a acabar, achei por bem fazer um balanço do mesmo. Há quem veja um novo ano como uma forma de mudar de atitude, de tomada de decisões e de escolhas, de mudar radicalmente a sua vida caso seja necessária uma mudança, e há quem acredite que um novo ano é apenas mais um em que cá estamos, que é ridícula a forma como se festeja ou até mesmo a causa. Há quem goste de se reunir com os amigos e fazer uma festa de arromba e há quem goste de estar com a Família e aproveitar as últimas horas do dia 31. E como já referi, há quem fique em casa sem dar qualquer tipo de importância a este acontecimento e fique a ver os reality show's da Tvi e da Sic. Por mim, desde que seja um bom dia e desde que seja passado da melhor forma com ou sem uma grande festa, desde que me sinta bem comigo própria e com o que me rodeia, é mesmo o mais importante. O ano de 2010 foi sem dúvida um ano complicado para mim. Não foi dos piores, mas também não foi dos melhores de sempre. Perdi pessoas. Não por inteiro, mas perdi grande parte do que elas eram comigo. Umas por mudanças de sentimentos, outras porque a distância assim o decidiu, mas na verdade, é nestas alturas que percebemos que aqueles que julgamos nunca nos abandonar são os primeiros a fazê-lo. E difícil não é encarar esta realidade, pois desde muito cedo que a encaro da melhor forma, o difícil é a ausência constante destas mesmas pessoas na nossa vida. Passamos anos, meses, dias e horas acostumados a alguém e depois essas pessoas abandonam-nos. Não conseguem gerir tempo, não conseguem gerir a sua própria vida, e conseguem acabar com amizades muito fortes, com ombros amigos que antes estavam lá e que agora não estão. Tristes são as promessas do «vamos ver-nos sempre que quisermos»; «prometo que te venho visitar, nada acaba aqui». Mas mais triste ainda são as pessoas que fazem todas estas promessas sabendo que não as vão conseguir cumprir. Era preciso uma gestão do tempo, e essas pessoas nunca a tiveram. Tenho muita pena que muitas delas acabem assim. Desde os meus dez anos que estou habituada a mudanças de escola e de localidade e ainda hoje mantenho contacto com todas as pessoas que marcaram a minha vida. Acho que nada é em vão. Se as coisas aconteceram é porque tinham que acontecer e não desejo quebrar qualquer tipo de contacto com ninguém que se tenha cruzado comigo na vida. Até posso não falar regularmente com todas elas, mas sempre que posso, um «olá , como tens passado?» não falta. E no entanto não sou mais que ninguém, não disponho de muito tempo tal como todos vós, mas arranjo sempre tempo para todas as coisas que gosto, que me fazem falta e que sem dúvida fazem parte de mim. Foi um ano também de desgaste psicológico da minha parte. Cansei-me de muita coisa que me rodeava, de muita coisa que me estava a acontecer, de um sentimento que me persegue já há algum tempo e que não consigo colocar de lado, e que fez com que muitas das pessoas que estavam comigo levassem um pouco por tabela. Não foi com intenção, vocês sabem que não. Simplesmente há coisas que nos matam por dentro e eu não sou excepção. Se mudei? Mudei muito. Tudo pela mesma causa, e não por intenção da minha parte. Simplesmente mudei, tal como acontece com todos nós num determinado momento da nossa vida com este ou aquele acontecimento. Posso ter perdido grande parte de mim mas não me sinto minimamente triste por isso. Há quem tenha pena da pessoa que perdeu, mas eu muito pelo contrário estou muito agradecida á causa. Só eu sei o que cresci com tudo isto. Aprendi a manter o arrependimento daquilo que fiz de lado. Hoje em dia só me arrependo daquilo que não fiz. E o que não fiz, espero ter oportunidade de o fazer, um dia, quando estiver destinado a fazê-lo. Se houve alguma atitude da minha parte que não tenham gostado, ou que não esperavam, peço imensa desculpa, mas com muita dificuldade me irei arrepender. Ainda assim, espero que me digam. Não há nada que não se resolva. Com a chegada do ano de 2011 mesmo á porta, não peço nada em especial. Espero aprender o dobro do que aprendi este ano – espero que não seja pelas mesmas razões, mas sim por outras sejam elas melhores ou piores -, e espero sinceramente colocar de lado e de vez aquilo que me persegue, aquilo que não vale a pena e que me traz sofrimento em vão. Agradeço a toda a minha grande e maravilhosa família por ainda me conseguir colocar sorrisos de orelha a orelha quando a esperança em mim morre, assim como a muitos dos meus amigos mais próximos que ás vezes sem terem a mínima noção são os andarilhos que me seguram dia após dia.

Desejo a todos os meus amigos, família, colegas e aos meus fieis seguidores um bom natal e uma excelente passagem de ano. Não se esqueçam de VIVER, isso é sem dúvida o mais importante.

Por isso deixo-vos com uma frase de alguém que nos deixou á pouco tempo : «Aproveitem a vida e ajudem-se uns aos outros, apreciem cada momento e agradeçam e não deixem nada por dizer, nada por fazer...» António Feio.


PS: Deixei as cartas de parte durante algum tempo, mas isso não significa que me tenha esquecido delas. É sem duvida um desafio que às vezes tem temas que nos fazem querer «fugir» um pouco deles, e sinceramente, não sei sobre quem escrever na próxima carta.

Um beijo nos vossos ♥’s
Daniela Teixeira *

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

The truth.

A cada dia que passa deparo-me com pessoas com grandes mágoas. Escusado seja dizer que a maioria delas é relacionada com amor. Não. Não estou a falar de rapariguinhas de 13 ou 14 anos que dizem-se apaixonadas. Estou a falar de outras faixas etárias, ainda que não muito longe dessa. Tenho tanta pena quando vejo uma relação bonita entre duas pessoas e vejo-as terminar por razões tão estúpidas. Tenho mais pena ainda quando sei que duas pessoas se amam e nada fazem para serem felizes. Como pode isto ser possível? Quem está de fora não pode ou pelo menos não devia opinar sobre o assunto, mas torna-se quase impossível... Torna-se impossível quando começamos a pensar que se tivéssemos apenas uma oportunidade, jamais a deixaríamos escapar, enquanto existem pessoas que acham que os conflitos são a base duma relação. Como pode uma pessoa dizer que ama alguém se a determinado momento termina namoro sem razão aparente? Como pode uma pessoa que trai o seu parceiro/sua parceira, dizer que ainda o ama? Ou se ama por inteiro, ou não se ama. E a traição não se comete com o corpo, mas sim com o pensamento. Acho espantosos estes tipos de situação. Para mim, a partir do momento em que começam a existir dúvidas em relação a determinados sentimentos, o amor acaba, a chama apaga-se. Porque ou se tem certezas daquilo que se sente, ou então não adianta estarmos com meias palavras. É por isso que todos devíamos medir as palavras que utilizamos. É por isso que devíamos pensar duas vezes antes de abrir a boca, antes de carregar nas teclas do telemóvel, ou até mesmo do computador.Pois do outro lado existe sempre alguém a sofrer. Existe alguém cujas palavras ditas são verdadeiras, e cujo sentimento é sincero. É sempre essa pessoa que sai magoada. E agora eu pergunto... isso é de alguma forma justo ? Não... Não quero obter resposta. Toda a gente iria responder que não. E mais uma vez não iriam estar a medir as suas palavras. Porque aquilo que tenho visto, é que as palavras não correspondem com as acções. E sinceramente não concordo com a frase: «Um gesto vale mais que mil palavras». E o porquê é muito simples... porque sei que as minhas palavras são sempre muito mais sinceras do que muitos dos meus gestos. Pena que não seja assim com muitas das pessoas que existem neste mundo. Quantas são aquelas que se escondem por entre máscaras seduzindo outrem com tudo aquilo que têm ? São inúmeras. Sem contar com aquelas que insistem em fingir que sentem uma coisa quando sabem que a chama que existia já não existe. É certo que nem todos somos assim. E isso respeita-se. Há pessoas que se saem melhor com gestos e conseguem fazê-lo de modo convincente sem que restem sombras de dúvidas, tal como existem palavras traiçoeiras capazes de levar bocados de nós. É tudo muito relativo. Mas hoje, eu não podia deixar de salientar tudo aquilo que disse. Olho para a esquerda e vejo mágoa, olho para a direita e vejo dor, até que olho para mim e vejo saudade. Tudo isto me custa. Às vezes custa-me mais ver certas pessoas a sofrer do que a mim própria, porque há situações que metem mesmo muito dó. Poderia estar aqui mais umas quantas horas a falar disto sem me cansar, porque na verdade há muito para dizer. Mas não o vou fazer. Não sou a sabedoria, e nem estou certa nem errada. Estou a falar de um assunto no qual muitas das vezes ninguém deveria tocar. Não devíamos falar de coisas que não têm definição nem modo de ser descritas, mas na verdade é sobre o que me dá mais gosto escrever. Sobre aquilo que através do que sinto consigo soltar.

Daniela Teixeira *



terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Talvez um dia ...

« Talvez amanhã quando tu sonhares em me querer, já eu tenha encontrado um alguém que me queira. Talvez amanhã quando te lembrares que eu existo, já tenha desaparecido do teu alcance. Talvez um dia quando os nossos caminhos trilharem por uma única estrada e tu quiseres ver-me, talvez eu já não tenha tanto amor no meu coração, mas mesmo assim vai ser bom ver-te! Não sejas tonto se um dia pensares que estou a SOFRER por ti, pois esse dia chegou e já se foi, há muito tempo. Se por obra do destino eu passar com outro na tua frente, sabes que esse outro foi quem me segurou na minha queda? Se um dia tu vires que estás a sofrer por um amor não correspondido, consola-te, pois ontem eu sofria por um amor assim... E quando tu descobrires que estas a amar, sorri, pois nesse dia eu irei deixar de pensar que tu és uma pessoa cruel e fria. Um dia vais olhar para trás e irás reparar que já não estou lá à tua espera como tantas outras vezes…estou cansada de te esperar, desta vez chega... não posso… não quero mais ter-te! Sabes este dia tinha que chegar. Olha para trás e encontras uma amiga, mais não dá para ser! Sim, gosto muito de ti, não poderei dizer o contrário, estaria a mentir, mas na vida hei-de aprender algo com a palavra saudade... sabes quantas vezes adormeci à espera duma chamada ou duma mensagem tua? Quantas vezes passei por ti, tinha vontade de te abraçar e beijar, e a única coisa que podia fazer era falar-te como se fosses um mero conhecido? Quantas vezes a saudade apertou cá dentro, e eu tinha prometido que não te ia querer mais? …mas caí sempre...hoje ainda olho para trás e encontro-te no meu caminho, espero que um dia não estejas lá! Quero olhar e seguir em frente sem ti... Sei que vou ter saudades, tenho essa certeza! mas tudo passa ... Pedras no caminho? Guardo todas, um dia vou construir um castelo...E se depois de tudo o que leste, não entenderes que eu te AMEI, esquece estas palavras e concentra-te nesta PERDESTE-ME! »

Este texto não é da minha autoria, mas acho que diz muito a certas pessoas e não podia deixar de publicá-lo. A vida é curta para esperar por quem não vem.
Bom Feriado para todos *

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

22.11.2010

O dia de hoje demorou imenso tempo a passar. A chuva lá fora parecia não mais acabar, e com a mesma intensidade que ela caía, assim batia o meu coração alterado. Batia depressa e violentamente á espera que o momento que eu tanto desejava finalmente chegasse. Mas esse momento não chegou... E da mesma forma que a Natureza se manifestou, assim me manifestei eu também. E sabes qual é o problema de tudo isto? É que embora tente mentalizar-me a mim própria e aos outros que já não existem qualquer tipo de esperanças dentro de mim, o meu coração continua a dar-me pequenas provas de que tudo é possível. Pequenos fragmentos que não me deixam encontrar a paz e o sossego. E o meu mal é apenas esse.
Não existe nenhuma solução para este meu problema. Sabes porquê? Porque este problema necessita de uma solução mágica que altere tudo o que me rodeia. Uma solução capaz de alterar a tristeza que a Natureza hoje sente, e ser capaz de fazer com que o meu coração deixe de bater com tamanha intensidade, á espera de um momento que eu sei que não vai chegar.
Desejava que o céu parasse de chorar e deixasse de alagar as ruas por onde todos passamos. Todos nós, ao mergulharmos nessa mesma água, estamos a partilhar um sentimento que não é nosso, e que só se vem acumular áquele que em nós já persiste.
Por isso, hoje eu gostava de pedir a essa mesma solução mágica que por apenas um só dia, não deixasse ninguém morrer afogado.
Este meu dia foi vivido lentamente, até chegar á conclusão que não existem soluções com uma pitada de pó mágico.

Daniela Teixeira *



segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Sem título.

Sabes? Às vezes fico durante momentos que parecem eternos a pensar no tempo que desperdiçamos com este tipo de coisas. E embora sinta que estamos a desperdiçar o nosso tempo que é um só, sinto que preciso de fazer isto para te provar que as tuas atitudes nem sempre são as mais correctas. Nunca gostei de ser segunda opção para ninguém, e embora compreenda que tenhas estabelecido as tuas prioridades numa certa altura da tua vida, não consigo de todo, desligar-me dos tempos em que éramos a primeira opção uma da outra. Este tempo doloroso em que quebrámos contacto serviu para quê? Não sei. A mim diz-me que a nossa história não consegue ter fim. Por muito que exista orgulho da parte de cada ser humano, existem momentos em que ele é tanto, que acaba por explodir. E é aí que percebemos que existem pessoas que nos completam, que fazem parte da nossa vida, e que por muito que se tente colocar um ponto final numa história que não parece ter qualquer tipo de sentido, não se consegue. Tenho saudades tuas, tenho mesmo muitas. Acho que seria impossível dizer-te que não tinha, passou muito tempo. E o que é certo é que estava habituada a ter-te todos os dias do meu lado. Um ombro amigo que eu sei que estaria sempre do meu lado para me amparar, tal como sempre esteve. Isto é tudo muito bonito, mas também há coisas que magoam, e a saudade às vezes não basta. As mudanças foram muitas, a distância era cada vez maior. E entre não te ter de vez em quando, e não te ter por completo, escolhi a última opção. Achando que seria a menos dolorosa para mim, que seria igual ou até mais fácil. É certo que contigo as minhas escolhas nunca foram as mais acertadas, e todas elas sempre me provaram que não consigo viver sem ti. Ou melhor, até consigo. Mas vivo com um eterno vazio dentro de mim. Como se fosses uma das etapas da minha vida que não está presente e que não me deixa ser quem sou. Acho que a nossa fase conjunta já lá vai … As coisas não são nem nunca mais serão iguais. Porque a partir do momento em que existem estas pequenas grandes quebras de contacto, perdesse muita coisa. A confiança mantêm-se, mas penso que grande parte das coisas importantes não conseguem ser recuperadas. Não fico triste por isso. Sempre soube que nada era eterno, nem mesmo tu. Mas acredito que a confiança que existiu e que ainda hoje permanece, não tem qualquer forma de morrer.

Com mágoa, Daniela Teixeira *

Ps- Http://www.youtube.com/watch?v=TOrnUquxtwA

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Despair.

Apago a luz. Deito-me e tento ter uma noite descansada. Tento fechar os olhos e adormecer. Tento sonhar, mas apercebo-me que nada disso é possível. Algo na minha mente e no meu coração me deixa sobressaltada, ansiosa. Voltam as insónias. Há muito tempo que não sei o que é o sono, o que é dormir.
Levanto-me da cama. Fico sentada e torno-me num mar de lágrimas. Pergunto-me « porquê? ». Mas nunca existem respostas para as escolhas do destino. Decido que preciso do vento para me secar as lágrimas. Levanto-me e vou de encontro á sala. Á varanda ; ao ar ; ao vento. Fecho os olhos. O vento seca-me as lágrimas. É o meu calmante, o meu porto de abrigo. Olho á minha volta e é como se fosse só eu no mundo. Tudo em paz, tudo calmo. Eu, o vento e os sons. Mais nada. Desabafo comigo própria e amparo a minha própria queda. Afinal se caí, só tenho é que me levantar. Saio da varanda, vou até á cozinha, agarro na minha garrafa de água fresca e tento acalmar o corpo que treme… Não sei se de frio, se de insegurança.
Volto ao quarto. Deito-me e trespasso tudo o que sinto para o papel. Apago a luz e apenas tento adormecer.
Estas foram as minhas noites de verão.

Daniela Teixeira *

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

#10 LETTER TO SOMEONE YOU DON'T TALK AS MUCH AS YOU'DE LIKE TO



E as cartas que hoje te escrevo, não têm como objectivo serem lidas. O objectivo de tudo aquilo que escrevo, muitas das vezes, não passa de meros desabafos que dentro de mim não cabem mais. O desejo infinito de uma comunicação normal leva-me ao abismo a partir do momento em que colocas barreiras em tudo aquilo que somos. E todos os actos são feitos por escolhas que tomamos. Cabe-nos a nós destruir essas barreiras que muitas vezes construímos de forma a privar algo. Mas neste caso não há nada que deva ser privado. Não acredito que neste tipo de caso não tenha sido uma escolha. E não aceito o tempo como uma desculpa. Há tempo para tudo, simplesmente existem pessoas que gostam de viver tudo num segundo. E embora a minha necessidade de falar contigo seja extrema, cansei-me de ser sempre eu a tentar quebrar a barreira que tu decidiste construir. Só tu tens o poder de destruir aquilo que construíste. Não uses o tempo como uma desculpa pelo medo que tens dos mal-entendidos que possam surgir. Simplesmente porque eles jamais irão existir.
You only see what your eyes want to see.
E como ás vezes poucas palavras dizem muito, assim me retiro.


With love, Daniela Teixeira *

sábado, 23 de outubro de 2010

#9 LETTER TO SOMEONE YOU WISH YOU COULD MEET

Decidi que não iria realizar a carta número oito, intitulada: #8 LETTER TO YOUR FAVOURITE INTERNET FRIEND .
Acho um tanto ridículo estar a gastar o meu tempo a falar de amigos virtuais enquanto existem tantas coisas que podem ser discutidas. Se tivesse necessidade de o fazer, fá-lo-ia. Mas não é o caso, e por isso, decidi passar á próxima carta.
Na verdade, não tenho necessidade de conhecer ninguém. Estou farta das pessoas, estou farta desta sociedade, ainda que eu mesma faça parte dela, e ainda que eu cometa imensos erros e seja igual a todos vós…Sinto-me farta. Criticamos erros de terceiros e passado uns tempos estamos nós a cometer esses mesmos erros. É irónico, somo todos iguais. Ainda assim, isto desgasta. Se calhar não estou farta apenas das pessoas que me rodeiam, se calhar estou farta de tudo o que está ao meu redor. Se quero fugir? Até queria. Se acho que ía mudar alguma coisa? Não. Em todo o lado se encontram as coisas de igual forma. Existem sempre o tipo de pessoas que não suportamos, existem sempre as manias dos estereótipos, existem sempre as más-línguas e as pessoas que apontam o dedo a este ou aquele. Pessoas especiais? Eu acredito que existam. Mas é preciso tempo para encontra-las, tempo para conhecê-las, tempo para percebê-las, tempo para as conquistar-mos, tempo para tudo. Tempo esse que apenas existe na nossa mente e que nos sufoca muitas das vezes, vendo-o correr e não conseguindo acompanhá-lo. É frustrante. Talvez fosse uma dessas pessoas especiais que eu precisasse de conhecer. Embora sejamos todos iguais existem sempre aquelas pessoas que se realçam, que tenham outro tipo de vida, outras perspectivas de tudo, outra filosofia. Uma pessoa que não desse importância nenhuma a tudo o que está ao seu redor, que sentisse algo completamente contrário ao que estou a sentir agora. Alguém que tivesse acordado de um sonho e que tivesse percebido que apenas o facto de existir é relevante e deve ser aproveitado. É assim que penso em algumas ocasiões, mas neste momento algo me perturba… falta-me muita coisa. Falta-me paz de espírito, falta-me um lugar só meu onde possa estar somente comigo e com a minha alma. Onde por um minuto apenas eu possa compreender o meu íntimo, olhar para ele e perceber tudo o que se está a passar. Falta-me tempo para tomar decisões que vou adiando por não querer tomá-las. E é aí que sigo ao sabor do vento… que deixo as coisas andarem. Não vou adiantar muito mais, estou demasiado confusa.
Estou á tua espera.



With love, Daniela Teixeira *

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

#7 LETTER TO YOUR EX-BOYFRIEND/GIRLFRIEND/LOVE/CRUSH

Estive na dúvida se havia ou não de escrever esta carta. Não houve razão nenhuma em especial por ter colocado, em determinado momento, esta hipótese mas, como supostamente se referia a um ex-namorado que, no meu caso, nunca existiu, achei que não fazia muito sentido fazê-la. Ainda assim, decidi não voltar atrás com as minhas palavras e resolvi que iria escreve-la tal como prometi. Como não sei propriamente o que dizer, vou limitar-me a dar pelo menos algumas das razões que fazem com que nunca tenha estado com ninguém.
Não sei o que para muitos de vocês significa uma relação, mas para mim é bem mais do que um compromisso. É algo que tem de ser feito com calma, quando se tem certeza do sentimento que se nutre por outrem. É algo que tem que ser recíproco, e que a pouco, e pouco se vai construindo. É uma infinidade de coisas que gira ao redor do amor, da paixão, do desejo, do carinho, da cumplicidade e do afecto, que se um dia deixa de existir, simplesmente acaba.
A verdade é que nunca me entreguei a ninguém. Não por não nutrir um sentimento suficientemente forte por alguém - muito pelo contrário – mas sim por medo. Conhecendo a nova sociedade como conheço, em quem é que vou acreditar quando me dizem isto ou aquilo? Eu simplesmente não acreditava. E se antes não acreditava, agora muito menos. E pronto, vou ter que recuar… porque na verdade me entreguei a uma pessoa. Entreguei-me a uma pessoa cujas palavras ditas não foram cumpridas e cujas tentativas não chegaram a tentativas. Foi algo que morreu do dia para a noite mas que em mim permaneceu até aos dias de hoje. Talvez o erro tenha sido meu por ter criado expectativas futuras, mas as palavras que me eram destinadas não me pareciam revelar outra coisa senão aquilo que sempre pensei. Hoje penso que foi em vão, que foram coisas ditas da boca para fora – não da minha parte, mas sim da pessoa em questão – e que em nada sou culpada, porque tenho a certeza que dei tudo de mim, pelo menos tudo aquilo que nunca tinha dado a mais ninguém. Sinto orgulho de mim própria por nunca me ter aventurado e por nunca ter entrado estupidamente numa relação. Sempre tive cabeça e sempre calculei tudo ao pormenor, sabendo as consequências e não querendo sofrê-las. Quebrei a regra uma única vez ao sentir que o desejava mais do que nunca e sabendo que o meu coração iria explodir se não o fizesse, mas essa entrega, infelizmente, não significou nada. Só significou para mim, e só eu consigo perceber o quanto me custou fazê-lo, o quanto pensei e repensei, se estaria ou não a tomar a atitude mais correcta. Tenho pena que nunca tenha passado disso, que nunca tenha existido uma relação. Tenho pena de nem sequer termos tentado, independentemente, do passado que pudesse existir e que o impedisse, mas se assim foi, assim tinha que ser.
Meter-me noutra deste tipo? Para quê? Para ficar anos á volta do mesmo e voltar a entrar em becos sem saída ? Dispenso. A minha porta só está aberta para uma pessoa, e por enquanto não estará aberta para mais ninguém.
Ao menos tenho as minhas justificações e não preciso de ir ‘comer’ o próximo só para matar a ‘fome’.
Por aqui me fico.


With love, Daniela Teixeira *

domingo, 3 de outubro de 2010

#6 LETTER TO A STRANGER

Uma carta para um estranho. Nesta carta, gostava de falar sobre algo que vejo cada vez mais e que me perturba de uma maneira inexplicável. Não quero que levem esta carta como uma crítica, mas sim como uma opinião, pois sei que não sou a única a sentir-se incomodada.
Fiz uma pesquisa na internet após ter saído do Avante10, por ter presenciado um mosh (não pela primeira vez), com o abjectivo de perceber o que de interessante têm e qual o seu significado. É certo que foi uma pesquisa em vão, pois não consegui perceber quais as suas origens, ficando apenas a saber que são realizados essencialmente em concertos de Metal (algo que já sabia e que só se veio confirmar).
Esta carta é para vocês. Para os estranhos. Para os parasitas que desconheço e que decidem fazer mosh's em concertos que nem sequer são apropriados para tal. Saí do Avante10 com uma vontade de espancar montes de pessoas. Não tenho absolutamente nada contra os mosh's nem nada contra aqueles que participam neles, mas as pessoas têm que perceber que existem lugares apropriados para tudo. Não é normal estarmos num concerto do Pedro Abrunhosa que para mim é nada mais, nada menos do que um poeta, e estar a levar com pessoas em cima que simplesmente decidiram fazer um mosh com um tipo de música que não tem nada a ver com a acção que acabaram de tomar. Para além de magoarem as pessoas, não respeitam nem o artista nem quem quer apreciar a música em sossego. A Carvalhesa, que supostamente é a imagem de marca do Avante onde participam milhares de pessoas, por si só, já é uma enorme confusão de gente. Se nos pusessemos todos a fazer moch's na Carvalhesa como vi várias pessoas fazer, acabaria muita gente completamente esmagada e outras a sentirem-se extremamente mal . Não me venham com respostas do tipo : « Só estavas lá porque querias, porque quem está mal muda-se» ou então com : « Cada um faz o que quer !», porque as coisas não são bem assim. Tudo bem que é um festival, mas as pessoas têm que se respeitar , e sobretudo respeitar o espaço. Se estivessem a actuar por exemplo os Slayer, até percebia que se fizessem mosh's a fio, e aí quem não gostasse não ía . Mas não é o caso. Simplesmente não houve respeito e continuará a não haver porque parece que só a maldade e o que é estúpido de fazer, é que entra na cabeça desta nossa nova sociedade. De qualquer das formas, escolhi-vos como destinatários para que tentem perceber que há coisas completamente ridículas, e uma delas foi a que se passou neste festival, que ao longo do tempo é eleito apenas para enrolar umas quantas ganzas e para ficar em coma alcóolico.
Cuidem-se Estranhos.


With love, Daniela Teixeira*


domingo, 19 de setembro de 2010

#5 LETTER TO YOUR DREAMS

Sonhos ?
Tenho uma mão cheia deles. Uns já realizados, outros por realizar e muitos por repetir. Neste momento apetecia-me pegar numa mochila , carregá-la ás minhas costas e fazer a minha viagem.
A viagem em que me pudesse descobrir a mim e ao mundo. A viagem que iria despertar em mim sensações novas, e outras que apenas estão adormecidas á espera do momento certo para acordarem. Pegava em ti, levava-te comigo, davamos a volta ao mundo, víamos pobreza, víamos riqueza, percebía-mos que o mundo ás vezes não é só aquilo que aparece na tv, e que tem muito mas, muito mais para nos dar.
Isto era o que me apetecia neste momento. E agora pergunto .. Não é o que todos neste momento desejaríamos fazer ? Agarrar em alguém e fugir um pouco de tudo o que nos rodeia !? Para alguns é apenas um desejo, para muitos é um grande sonho. Não conheço ninguém que goste de rotina, e também não conheço ninguém nos dias de hoje que não deseje fugir em determinado momento.
No entanto, é de mim que se refere esta carta , por isso apenas os meus sonhos aqui importam. Os meus sonhos são muitos. Não gosto muito de falar sobre eles, porque acho que não sou só eu que dependo deles. Eles também dependem de mim. Acho que tenho todas as capacidades de os realizar, basta querer. Isso só depende de nós. Depende dos patamares que sabemos que conseguimos atingir. Depende da força de vontade que temos e da força que estamos dispostos a utilizar para essas grandes batalhas. Eu acredito, isso ninguém me pode tirar. Quero encontrar alguém que permaneça na minha vida durante anos a fio, que me faça feliz como nunca ninguém fez e sobretudo que compense o que passei neste último ano. Só quero aquilo que tenho a certeza que mereço.
Ao longo da vida, uns sonhos desaparecem, mas os que são realmente importantes .. esses ficam . Á espera que os agarremos e que demos tudo por eles. Esta é a carta para os meus sonhos. Vou agarrar-vos, não quero desistir.


With love, Daniela Teixeira *



domingo, 12 de setembro de 2010

#4 LETTER TO YOUR SIBLING (OR CLOSEST RELATIVE).

Mais uma carta que não será fácil de escrever. Carta para a minha irmã (irmão) ou parente mais próximo.
Sou filha única. Não tenho irmãos nem irmãs, nem considero que tenho parentes mais próximos ou mais afastados porque felizmente tenho uma família que se relaciona toda muito bem entre si.

Esta carta é para ti. Por estares ao meu lado desde que me lembro. Por seres o exemplo que eu sempre quis seguir. Por me teres visto crescer, por continuares a fazê-lo e por não te cansares.
Sei que és o braço que me vai levantar sempre que eu cair. E sabes porquê ? Porque tu és a irmã que eu nunca tive.
És quem sempre fez tudo o que pôde por mim. Os possíveis e os impossíveis. A pessoa que cuidou de mim desde que existo e que sempre me levou para todo o lado independentemente da idade que pudesse ter. Sempre tiveste uma paciência de santa para me aturares, e o mais engraçado é que eu sempre senti que gostavas de o fazer.
Orgulho-me de ti por todas as dificuldades que já passaste, por todas as tuas perdas, que não sei se estão ou não superadas mas que jamais serão esquecidas. Por seres uma mulher forte sempre disposta a dar tudo o que tem de si, a quem quer que seja. Por não permitires que ninguém te aponte o dedo , nem aos teus. Por jamais teres cruzado os braços á espera que as coisas te caíssem do céu. Por teres uma filha linda que é o meu sorriso.
Nunca fui uma pessoa transparente e nunca gostei muito de falar das minhas coisas, mas é certo que tinhas sempre a capacidade de conseguir arrancar qualquer coisa de mim. Eu sabia que contigo podia contar, nem que fosse para ouvir uma moralidade ou experiência tua, que acabasse por me fazer perceber que existem sempre outros caminhos a seguir.
É para perto de ti que eu fujo quando sinto que as quatro paredes do meu quarto vão explodir. E eu não preciso de te pedir. Porque mesmo antes dessas quatro paredes explodirem, já eu estou a receber um telefonema teu.
Não tenho palavras para falar de ti. Juro que não tenho. Há muita coisa que podia dizer, mas não consigo. Porque esta carta ainda vai a meio e eu já estou a chorar. Porque sempre disse a mim própria que se um dia te perdesse, me perdiria a mim também. Se um dia partisses cedo de mais, eu iria contigo.
Há coisas que são impossíveis de exprimir e de mandar cá para fora. O sentimento que nutro por ti, é exactamente assim. Complexo.
Por isso não fiques triste se esta carta não conseguir ser mais do que aquilo que é.
Obrigado por todos estes anos de partilha e aprendizagem. Por me contares as tuas histórias e actos, com e sem juízo, e principalmente por me fazeres ver as coisas de outra forma.
Sabes que tudo o que fizeste por mim, farei por ti a triplicar.
Por agora, um amo-te é tudo o que tenho para te dar. E esta é a carta que eu nunca te escrevi.
És mais que uma mulher

With love, Daniela Teixeira *





segunda-feira, 6 de setembro de 2010

#3 LETTER TO YOUR PARENTS

Gostava que estivessem mais presentes na minha vida. Que conhecessem cada rio que flui e desagua em mim. Gostava de poder chegar a casa e ouvir “estás bem ? como foi o dia ?”. Mas não. Sempre tive que contar comigo, e só comigo para tudo. Porque vocês só estão presentes em tudo aquilo que vêem. E não naquilo que não vêem e naquilo que eu sinto. E porquê? Simplesmente porque não existe diálogo. Ás vezes quero compreender o que vos leva a fazer certas coisas e a agirem da maneira que agem, mas depois.. Como posso entender ? Não há comunicação. Não há diálogo.
É um pouco disto que flutua na minha mente quando me deparo com o tema desta carta. Eu nunca tive a necessidade de vos contar nada em concreto, mas gostava que quando eu não fosse o mais correcta convosco, respeitassem por terem a noção que se tomei essa atitude, foi porque algo de errado se estava a passar comigo. Mas não.. Foram sempre tempestades dentro de copos de água que se instalaram. Até ao ponto em que desisti. Deixei de dar importância. Se não sentem necessidade de enfrentar os problemas , mas sim passarem por cima deles, então força. Mas não contem comigo. Porque tudo aquilo que eu hoje sei, não posso dizer que foi devido a vocês . Foi devido a uma sucessão de acontecimentos na minha vida que me fizeram crescer e ser quem hoje sou. E não. Vocês não sabem que acontecimentos foram. Porque não estavam presentes..

Não são o tipo de pessoas que não têm tempo por causa do trabalho, nem são o tipo de casal que discute a toda a hora, por isso nunca tiveram desculpa. Fizeram sempre o que quiseram. E o que não quiseram foi simplesmente escolha própria da vossa parte.
De que me adianta dizer que estou mal ou que tenho insónias, se a resposta vai ser “não te deitasses tarde” ou “não estivesses tanto tempo ao computador” ? Das duas uma. Ou é uma forma de enterrar a conversa ou então é a maneira mais fácil de a despachar. Custa muito perguntar porquê? Custa muito tentar entrar dentro de mim por um minuto que seja e tentar perceber o que se passa comigo ? Pelos vistos custa. A minha sorte é ter contado sempre comigo para tudo . É ter-me levantado a mim própria quando mais ninguém , e principalmente vocês, não me deram a mão. Foi um hábito que criei.
No dia em que quiserem perceber e entrar na minha vida, será o dia em que vos direi que não preciso. O dia em vos direi que me tenho a mim e que isso me basta para derrubar as barreiras que se possam intrometer no meu caminho. Será um pouco tarde demais.
Não quero só falar de todas as coisas más. Quero também falar das coisas boas. Na verdade, também existem. Relativamente a bens-materiais nunca me faltou nada, sempre me deram tudo aquilo que puderam. Foi pouco ou nada o que vos pedi. Nunca fui pessoa de pedir 100 a quem só pode dar 50, e vocês sabem disso. Carrego em mim, parte dos vossos defeitos e das vossas qualidades.
Herdei de ti mãe, o feitio que ninguém suporta, o feitio que ninguém consegue aturar e que ninguém compreende. A impaciência. A histeria, e a capacidade de ter pena de quem por vezes não merece a minha pena.
E de ti pai, um pouco de tudo aquilo que eu sou. És como se fosse metade da minha personalidade. A frontalidade, honestidade, sinceridade e inteligência em pessoa. Podes dar tudo de ti, mas a primeira facada nas costas que te dão, é também a última. A capacidade de rir nos momentos de brincadeira e de falar sériamente quando se tem que ter uma conversa de carácter importante.
Talvez seja por isso que por onde quer que passes haja sempre alguém que respeite cada palavra que sai da tua boca.

É isto que vejo em vocês , e que acaba por se reflectir em mim.
Apesar de todas as coisas más, e boas .. Ambos sabem aquilo que representam para mim em qualquer uma ocasião .
Obrigado pelo tudo e pelo nada, e por serem o meu batimento cardíaco .

With love, Daniela Teixeira *

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

#2 LETTER TO YOUR CRUSH





Nem imaginam quantas são as cartas que me vão custar escrever.

Quantas são as cartas que só fazem sentido serem para uma pessoa.. Mas tem de ser. Senão o fizesse não estaria a ser sincera, nem com vocês, nem comigo própria. E não quero evitar aquilo que sinto, e muito menos mandar os meus sentimentos para trás das costas , porque quando chegar a hora certa eu sei que tudo há-de passar .

Por enquanto sou honesta e sincera e esta carta será anónima.
O destinatário da carta sabe quem é. Não vou começar a dizer que a pessoa em questão sabe o que sinto por ela, porque da minha vida, e do que eu sinto, sei eu .
Quando existe uma pessoa que entra repentinamente na nossa vida , e a transforma arrebatadamente, consegue também mudar o nosso próprio ser . Roubar-nos a alma..


Aos poucos , umas vezes com força de vontade e outras nem tanto, tentamos encontrá-la de novo. Mas uma vez roubada, nunca mais será a mesma.

É por isso que existem momentos na nossa vida que nos fazem mudar, nos fazem crescer, nos fazem ser quem somos. Se pudesse fazer com que tudo fosse á minha maneira, entregar-te-ia o meu ser. Dar-te-ia o meu próprio mundo. Tentava fazer com que não conseguisses distinguir o dia da noite nem a noite do dia.. Que não distinguisses o verão do inverno, nem o copo cheio do copo vazio . Porque quando existe alguém que consegue magoar com a própria ausência, é sufocante. São noites mal dormidas, são dias mal passados, são más-disposições que se tornam insuportáveis.. São muitas coisas que magoam. Ás vezes só queremos um dia de ‘folga’ . Mas não existem dias de ‘folga’.. Existem caminhos que mais tarde ou mais cedo acabarão por vir ao nosso encontro .. Mudando-nos de novo a vida, e trazendo-lhe um pouco mais de alegria, sensações novas e bem-estar.
Esta é a minha curta carta . Não consigo escrever mais nada. Só de pensar no que estou a escrever e na sinceridade que estou aqui a depositar, sinto-me ridícula.
Se há coisa que não consegue ser transmitida nem expressada, é aquilo que eu sinto por ti . E o quanto o destino me magoa.


A paixão a meu ver, jamais terá forma de ser explicada.


With love, Daniela Teixeira *



quarta-feira, 1 de setembro de 2010

#1 LETTER TO YOUR BEST FRIEND

É difícil . É extremamente difícil escrever algo que para mim tem o máximo valor . Foste sempre o meu suporte, és tu que me aguentas quando mais ninguém aguenta. Só contigo é que as horas parecem segundos. Nunca precisei da tua presença física para te sentir ao meu lado. Nunca precisei de horas, de momentos , de dias , nem de anos. És das almas mais bonitas que existem neste mundo. Ainda te lembras quando quase te perdi ? Se sou a mulher que sou hoje , também o posso agradecer a ti . Por me teres feito ver que nem sempre tenho as melhores atitudes, que nem sempre sou a dona da razão. Se existem pessoas que conseguem fazer com que eu coloque o meu orgulho de lado, essa pessoa és tu. Porque contigo , eu não preciso de feitios. Contigo eu não preciso de birras, não preciso de nada. Apenas preciso que estejamos bem , e na verdade sempre estivemos. O amor que nos une não é de ontem, é de sempre. A minha infância foi contigo, o meu sorriso cresceu contigo sempre, mas sempre do meu lado. Hoje és uma mulher , prestes a construir a tua vida . Ainda assim, sei que sabes que eu estou aqui. Que faço parte da tua vida e que já não há nada que possas fazer para alterar isso. Porque o que nasce connosco, morre também . E não há nada mais bonito que isso . Podes ser a pessoa mais importante que existe para mim neste mundo, mas não vou gastar palavras contigo. Tu merecias livros dedicados ao ser que és. E isso , sabes que não te posso dar. Por isso, aqui tens a minha carta para ti. Uma simples carta, que para ti, sei que fará toda a diferença . Lembra-te que eu estou sempre contigo, em todos os passos que deres nesta grande caminhada que é a vida .

With love, Daniela Teixeira *

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Desafio .

Irei fazer as 30 cartas com toda a sinceridade possível, ainda que algumas me possam vir a custar bastante a fazer . Algumas serão anónimas, outras não. E falarei de algumas pessoas em mais que uma carta, de acordo com a realidade.

#1 LETTER TO YOUR BEST FRIEND
#2 LETTER TO YOUR CRUSH
#3 LETTER TO YOUR PARENTS
#4 LETTER TO YOUR SIBLING (OR CLOSEST RELATIVE)
#5 LETTER TO YOUR DREAMS
#6 LETTER TO A STRANGER
#7 LETTER TO YOUR EX-BOYFRIEND/GIRLFRIEND/LOVE/CRUSH
#8 LETTER TO YOUR FAVOURITE INTERNET FRIEND
#9 LETTER TO SOMEONE YOU WISH YOU COULD MEET
#10 LETTER TO SOMEONE YOU DON'T TALK AS MUCH AS YOU'DE LIKE TO
#11 LETTER TO A DECEASED PERSON YOU WISH YOU COLD TALK TO
#12 LETTER TO THE PERSON YOU HATE MOST/CAUSED YOU A LOT OF PAIN
#13 LETTER TO SOMEONE YOU WISH COULD FORGIVE YOU
#14 LETTER TO SOMEONE YOU'VE DRIFTED AWAY FROM
#15 LETTER TO THE PERSON YOU MISS THE MOST
#16 LETTER TO SOMEONE THAT'S NOT IN YOUR CITY OR COUNTRY
#17 LETTER TO SOMEONE FROM YOUR CHILDHOOD
#18 LETTER TO THE PERSON YOU WISH YOU COLD BE
#19 LETTER TO SOMEONE THAT PESTER YOUR MINE - GOOD OR BAD
#20 LETTER TO THE ONE THAT BROKE YOUR HEART THE HARDEST
#21 LETTER TO SOMEONE YOU JUDGEG BY THEY FIRST IMPRESSION
#22 LETTER TO SOMEONE YOU WANT TO GIVE A SECOND CHANGE TO
#23 LETTER TO THE LAST PERSON YOU KISSED
#24 LETTER TO THE PERSON THAT GAVE YOUR FAVOURITE MEMORY
#25 LETTER TO THE PERSON YOU KNOW THAT IS GOING THROUGH THE WORST OF TIMES
#26 LETTER TO THE LAST PERSON YOU MADE A PINKY PRIMISE TO
#27 LETTER TO THE FRIENDLIEST PERSON YOU KNEW FOR ONLY ONE DAY
#28 LETTER TO SOMEONE THAT CHANGED YOUR LIFE
#29 LETTER TO THE PERSON THAT YOU WANT TELL EVERTHING TO, BUT TOO AFRAID TO
#30 LETTER TO YOUR REFLECTION IN THE MIRROR

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Aires .


“Os encontros mais importantes já foram combinados pelas almas antes mesmo de os corpos se verem. Geralmente, esses encontros acontecem quando chegamos a um limite, quando precisamos de morrer e renascer emocionalmente. Os encontros esperam-nos, mas a maior parte das vezes evitamos que eles aconteçam. No entanto, se estamos entusiasmados com a vida, então o desconhecido manifesta-se, e o nosso universo muda de rumo. “

É o teu dia . Gostava de poder falar um pouco sobre a tua pessoa, mas um ser como tu exige palavras que não existem. Ainda assim, quero dizer que és uma pessoa muito especial, uma raridade, na minha opinião. Sei que em nada concordas com a minha afirmação, mas deixa-me dizer-te que és das personalidades mais fortes que conheço e que é uma dádiva ter-te como amigo. Jamais poderei descrever tudo o que passei contigo e jamais conseguirei reunir as palavras certas para agradecer-te por todos os medos e inseguranças que perdi, simplesmente porque estavas do meu lado. Sei que se precisar de ser ouvida poderei ir ter contigo , mesmo que nunca o tenha feito. Talvez não tenha sido por não querer, ou por não precisar , mas secalhar porque não te queria massacrar com coisas que eram só minhas. Tal como tu nunca o fizeste comigo , embora tenhas em ti toda a consciência de que o podes fazer.
Mudaste a minha vida e sabes muito bem o quanto tudo o que aconteceu me marcou. É por me teres feito entender coisas que eu não entendia, me teres mostrado coisas que eu desconhecia, e sobretudo por teres levado contigo parte daquilo que eu era, que te tento estimar o mais que posso mesmo sabendo que ás vezes tenho atitudes que não são as mais correctas. O problema é que tens uma influência muito grande no meu temperamento e no meu estado de espírito. O que faz com que por vezes te “dê a taça” para não acabarmos chateados ou para eu mesma não ficar com o peso na consciência.
Tento pensar que todo o bem que me proporcionaste, supera o sofrimento que estou a passar agora. Talvez seja a forma mais sensata e mais positiva de ver as coisas .. Tal como uma vez disseste : “Estou na história da tua vida “. Acho que só isto, resume tudo. Não é preciso muito mais, visto que o resto nós sabemos e só a nós nos diz respeito .


Parabéns e tem um bom dia Geleia .
Adoro-te .


segunda-feira, 23 de agosto de 2010

strength .


Não te peço que me contes todos os teus segredos. Não peço que me fales de tudo o que já passaste , e muito menos que tentes exprimir o que sentes. Não desejo que me digas o quanto está a ser difícil, nem que abandones aquilo que não consegues abandonar. Não necessito que feches os olhos e muito menos te peço para olhares para trás e fingires que não existiu nada .

Não acho que te devas arrepender das oportunidades que dás, nem das vezes que perdoaste mesmo sabendo que jamais irias esquecer. Não acho que devas deixar de acreditar que um dia tudo possa dar certo, pois eu, também não deixaria . No entanto, por vezes as oportunidades quando são em demasia, tornam-se ciclos, que se vão desperdiçando. E há que saber se é essa a vida que queremos ter.. Uma vida presa a um passado muito forte. Não digo que lhe vires as costas, pois mesmo que quisesses talvez não conseguisses, mas há sempre outros caminhos que podemos seguir.
O que eu peço ou deixo de pedir, desejo ou deixo de desejar, necessito ou deixo de necessitar, acho ou deixo de achar, de nada importa . São apenas pontos de vista diferentes , sendo que eu estou por fora , e não por dentro.

Sei que há pessoas , momentos, músicas, toques , lugares, olhares e sorrisos que são capazes de arrancar pedaços de nós . Ainda assim, te peço só uma coisa .. Mantêm-te forte .


DanielaTeixeira

" Ele olhou-a nos olhos, com uma expressão serena, mas algo amargurada e inquieta. Ela desviou o olhar, sentando-se numa das cadeiras de madeira antiga e gasta que rodeavam a mesa da cozinha, com as costas viradas para ele. De seguida colocou as mãos na cabeça e curvou-se até aos joelhos, chorando como nunca tinha chorado antes. O chão era agora um mar de lágrimas, as paredes amarelas pareciam frágeis como se fossem tombar a qualquer momento, o ar enchia-se de sentimentos de culpa e de mágoa. Sem saber o que fazer nem o que dizer, ele permaneceu imóvel durante alguns segundos. Depois caminhou para junto da mesa, ficou de joelhos em frente a ela e disse-lhe:
«Antes de nos termos encontrado ambos éramos como um rio e durante toda a nossa vida fizemos escolhas até que nos encontrámos e chegámos ao mar, tornámo-nos um só. Neste momento já não nos podemos separar, estamos ligados para todo o sempre. Mesmo que algum de nós tente seguir outro caminho, a corrente só flui para um lado, o lado do coração.»
Ela ganhou coragem e encarou-o, os olhos avermelhados e inchados.
«Enganas-te, nós não somos como o mar. Somos como o deserto e eu estou a morrer de sede. Estamos perdidos no meio do nada e não sabemos o que fazer para voltar ao passado, onde tudo era perfeito. Tudo o que dizes, todas as promessas que me fazes não passam de miragens que acabam sempre por se desvanecer e se revelam pura mentira.»
O tempo parou. O ambiente estava cada vez mais tenso. Ela levantou-se e encostou-se á bancada da cozinha, abriu a torneira e começou a lavar a cara. Ele observou-a atentamente enquanto se levantava do chão. Ela fechou a torneira e, com a cara ainda ensopada, virou-se para ele. Ele pegou no pano branco que estava em cima da mesa e deu-lho. Admirada, ela limpou a cara. Os olhares deles cruzaram-se por breves instantes. Ele dirigiu-se até a porta de casa e saiu, para nunca mais voltar. Foi tudo tão rápido que ela podia jurar que ele voou até á porta. Quando finalmente caiu em si, ela deixou-se cair no chão da cozinha. Estava tão gelado quanto o seu coração despedaçado. Mas desta vez ela não chorou, soltou um grito de raiva que ecoo pelas ruas e fez estremecer os prédios. Ele ouviu-a e subitamente faltou-lhe o ar. Sentiu o coração apertado e quase voltou para trás. No fundo, ele sabia que a razão estava do lado dela. Mas a coragem faltou-lhe e fugiu, sabendo que nunca mais ia ser o mesmo.
Tanto ele como ela perderam uma parte de si, a parte mais importante de todas. A parte do coração, que ficou perdida nas memorias de uma outra vida a dois...


Foi o fim para eles. " - Joana Larsen .

Tens um jeito para a escrita, inexplicável :)

domingo, 15 de agosto de 2010

seven.


Parto para um lugar com a intenção de me afastar de tudo o que me rodeia, de todos aqueles que estão á minha volta . Sinto cansaço de tudo isto . Tudo sem graça, tudo tão igual , tão mesquinho , tão insignificante e ao mesmo tempo tão importante, mas que acaba por cansar . Parto para esquecer tudo o que se passa . Parto para tentar apagar memórias, para tentar viver algo novo. Parto para perceber que o mundo não gira á tua volta . Parto para não me aborrecerem com coisas que já não cabem na minha cabeça, nem na minha alma . Parto para estar em paz , não com os outros mas sim comigo própria. Parto para me superar a mim própria. Para alcançar o inalcançável.

Ao chegar, sinto a paz que mereço. Posso fazer o que quero , sem ter que dar justificações. Posso dar o passo maior que a perna se assim desejar . Ali sou só eu . Ali não existe mais ninguém . Ali não tenho preocupações. Não tenho espaços por ocupar. Não tenho que dizer um “amo-te” só porque sim . Não tenho que fazer o que é suposto ser correcto. Esqueço tudo o que vai para além daquilo que vejo . Sinto aquilo que não consigo sentir á meses, simplesmente porque tenho a mente vazia.

Quando volto , o ciclo recomeça . É tudo tão sem graça .. Tudo tão vivido e ao mesmo tempo tudo por viver. Voltam os pontos de interrogação. Voltam as memórias. Voltas tu com o teu mundinho. Voltam as coisas aborrecidas, os cochichos , as coisas insignificantes. Voltam as coisas que me atormentam. Mas a paz .. essa não volta . Fica lá , para uma próxima.
Chego , e percebo que para onde quer que eu vá , tu estarás sempre lá . E se não estiveres tu .. pelo menos estará a tua história .


Agora sim , acredito no destino .
Everything means nothing .





DanielaTeixeira

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Read a lot .



É algo que me transforma. Que desperta em mim sensações tão estranhas quanto eu.
Revivo isto uma vez mais, tanto nos livros que li, como nos filmes que vi. Algo que me acalma e me eleva o ego sem qualquer razão .. Que me faz ver que gosto de mim tal e qual como sou, mas que posso sempre ser melhor, porque podemos dar sempre mais de nós.
A razão é uma incógnita , mas se acontece é porque tem que acontecer e sinceramente, acredito que o bem que me faz supera todas as coisas negativas que me ocorrem no pensamento logo no final de tudo. É como se saísse de um mundo no qual eu gostava de ter vivido mas que apenas posso imaginar, com todos os sentimentos que tenho á flor da pele que acredito que são mais que sinceros.
Pode ser estúpido ; pode não ter lógica ; pode não ter cabimento ; pode ser fantasíaco ; pode ser perigoso e até acabar comigo até explodir de tanto sentimento.. Mas é o que sinto.
Eu acredito que ainda existam pessoas únicas ; pessoas especiais. Quando as encontrar, talvez partilhe.. Ou apenas guarde para mim mesma o bem e o mal que as suas existências provocam em mim.


Books like friends, should be few and well chosen . - Samuel Paterson
DanielaTeixeira


terça-feira, 13 de julho de 2010

Desafio 2.


1. Signo: Aquário.

2. Data de Nascimento: 30 /01/95

3. Cor de olhos: Castanhos Escuros

4. Altura: 1.50 e mauis qualquer coisa .

5. Comprometida ou solteira? Solteirinha.

6. Qual é o teu nome do meio? Rua.

7. Se fosses arrastada para uma guerra, sobreviverias? Tinha de sobreviver.

8. Qual é a cor da tua roupa interior hoje? Branca.

9. Dormes com a tv ligada? Claro que não. Ou se dorme ou se vê tv .

10. Consegues escrever rápido no computador? Hoje em dia quem é que não consegue ?

11. Quando foi a última vez que escolheste um duche em vez de um banho de imersão? Não tenho banheira, tenho duas bases de duche. Logo, foi há uns bons anos, antes de mudar de casa.

12. Com quem é que tu sabes que podes sempre contar? Comigo.

13. Estás a beber alguma coisa neste momento? Não.

14. Falas enquanto dormes? Não ..

15. Qual é a foto que tens no fundo do ambiente de trabalho? Uma foto de uma paisagem que tirei no Gerês .

16. Tens o sono profundo? Bastante leve .

17. As outras pessoas acham-te atraente? Alguns rapazes sim, as raparigas acham todas que não. Porque será ?

18. Sentes saudades de alguém neste momento? Sim, muitas.

19. Quando foi a última vez que disseste a alguém que o amavas e realmente sentias? Será que cheguei a dizer ? Mas ainda vou a tempo .

20. Qual foi o último desporto que praticaste? Sinceramente, não me recordo..

21. Como te sentes hoje? Normal ..

22. Quem foi a última pessoa com quem partilhaste a cama? O Paulo (Meu Primo).

23. Alguma vez foste mordida por alguém? Sim já lool .

24. Alguma vez mordeste alguém? Sim :x

25. Qual é a pior coisa no sexo oposto? A capacidade de não medirem as palavras que dizem ; a indiferença ; o desprezo .

26. O que está no fundo do teu guarda-roupa? Livros, malas, uma caixa com Dvds's, um piano electrónico e mais algumas coisas .

27. Qual foi a última coisa que tiveste na tua boca? Comida .

28. Qual é a tua filosofia de vida ? Carpe Diem :)

29. Com o que é que estás ansiosa? Com muita coisa ..

30. Alguma vez trepaste para uma janela? hmm, é capaz.

31. Que três coisas te levam sempre a sítios? Os pés, os transportes, e o .

32. Tens uma queda por alguém? Uma senhora queda .

33. Quão frequentemente falas ao telefone? o necessário .
34. O que fazes quando ninguém está a ver? só a mim me interessa ahah .

35. Há algo que queiras e não possas ter? Sim.

36. Três coisas que reparas de imediato no sexo oposto: Dentes, mãos e lábios.

37. Onde está o teu telemóvel? Em cima da secretária .

38. O que foi a última bebida alcoólica que bebeste? Não bebo álcool.

39. Qual é a tua cor favorita? Preto.

40. Qual foi o último filme que foste ver ao cinema? Uma comédia, mas não me lembro do nome.

41. Que música estás a ouvir? Uninvited.

42. Quem foi a última pessoa com quem falaste? Com o Daniel Gomes.

43. Usas que champô? Pantene Pro-v caracóis perfeitos.

44. Mais velha, do meio, mais nova ou simplesmente uma criança ? Filha única.

45. Quem admiras? A minha Rafa .

46. O que te faz mais feliz? A Felicidade é um sentimento interior que não se obtêm com bens-materiais.

47. O que é que odeias? Que me tentem fazer de parva. Mas aviso já que não conseguem.

48. O teu homem perfeito? Ele sabe quem é ..

50. O melhor tipo de festa? Party it's party !

51. O que te vês a fazer daqui a 10 anos? Desde que esteja realizada, estou bem .

52. Bebida alcoólica? Não bebo.

53. Shots? Shots Guns ahaha

54. Perfume? 212 para homem e para mulher. Jennifer Lopez -Live for women . Diesel - Fuel For Life. Ultraviolet for women. Emporio Armani - He man. Actualmente uso estes todos.

55. Filme? Cidade dos Anjos.

56. Sítio? Cuba .

57. Número? 7.
58. Mês? Novembro.

59. Gelado? Pistacho / Baunilha / Stracciatella.

60. Dia do ano? 5.

61. Flor? Não gosto de flores.

62. Já alguma vez fizeste um papagaio voar? Muito provavelmente .

63. Alguma vez comeste um cachorro quente? Quem é que nunca comeu ?

64. Alguma vez bebeste leite do pacote? Claro .

65. Alguma vez ganhaste um concurso de soletrar? Nunca participei.

66. Alguma vez tiveste na casa de banho do sexo oposto? Milhares de vezes.

67. Curtiste com alguém em frente a uma multidão animada? Não gosto de multidões, mas já me apanharam desprevenida .

68. Já alguma vez amaste alguém de verdade? Duas vezes.

69. Alguma vez partiste um osso? Nunca parti nada .

70. Alguma vez cantaste num palco? Não.

71. Alguma vez caíste duma cadeira? Sim.

72. Alguma vez ficaste com a língua colada a um gelo? Sim.

73. Alguma vez fizeste bumgee jumping? Não, mas é um caso a pensar.

74. Alguma vez saltaste de uma rocha? Já, várias vezes.

75. Alguma vez choraste p'ra te safares de sarilhos? As lágrimas não me safam de problemas. A minha sinceridade,honestidade e força tratam disso.

76. Alguma vez jogaste strip poker? Hei-de jogar .

77. Beijaste alguém que não conhecias? A minha boca não beija qualquer lábio .

78. Estiveste perto de morrer? Não .

79. Nadaste no oceano? Sim.

80. Alguma vez levaste pontos? Nunca.

81. Alguma vez foste hospitalizada? Não.

82. Dia ou noite? Noite.
83. Sol ou chuva? Nem chuva nem sol .

84. Dormes com algum peluche? Não.

85. A tua posse que mais prezas? Família.

86. Danças bem? Nem por sombras ahah

87. Já alguém, para além da tua família, te disse que te amava? Sim ..

88. Quantos piercings tens? Nenhum.

89. Diz o nome de 5 coisas que estejas a usar: Soutien, Cuecas, Túnica, Calças e 4 aneis de ouro que nunca me largam.

90. Alguma tatuagem? Não .

91. Que tipo de bêbeda és tu? Não sou bêbeda. Dispenso figuras tristes que me caracterizem como palhaça.
92. Gostas de ti? Se eu não gostar de mim , quem gostará ?

93. Beijos, ou abraços? Beijos.

94. A última pessoa que abraçaste? Ele sabe.

95. A última coisa que compraste: Não me lembro.

96. A última pessoa que te mandou uma sms: Rui Silva.

97. A última vez que tomaste banho: Hoje.

98. És demasiado tímida p'ra convidar alguém p'ra sair? Depende da pessoa.

99. O que estás a pensar? Nos 7's .

100. A melhor maneira para que alguém saiba que gostas dela é...? Eu sei como fazê-lo quando acho que devo e quando sei que vale a pena. Quando sei que não vale, basta que a pessoa descubra por si própria, e se não acreditar, aí também já não será meu dever prová-lo, pois a pessoa também não irá querer as provas .

101. Tu sabes que eu gosto de ti, se...? Se me provares devidamente com tudo aquilo que tens .

102. Gostas de chocolate? Come-se.

103. Quanto dinheiro tens? Algum .

104. Onde te queres casar? Desde que seja único, aceito.

106. O que queres ser na vida? Ela própria me dirá .

107. Preferias morrer queimada ou afogada? Afogada .

108. Preferes dar ou receber uma massagem? Receber.

109. Há algum Tiago no teu circulo de amigos? Sim há.

110. Beijaste alguém no teu círculo de amigos? Sim lol.

111. Com quantas pessoas do teu círculo de amigos já estiveste bêbeda? Repito pela 4ª vez que não bebo .

112. Guardas rancor? Infelizmente, guardo .

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Desafio .

Desafio igual ao do Blog FRAGMENTOS .

O desafio consiste em:

1 - Pôr o Windows Media Player no modo aleatório.
2 - Carregar "seguinte" para cada pergunta.
3 - Usar o título da música como resposta a cada pergunta, mesmo que não faça sentido e sem fazer batota!
4 - Fazer comentários às perguntas/respostas.

1- Como te sentes hoje? Simply the Best - Tina Turner . Até que tem a ver ..
2- Vais ser alguém na vida? Por amor - Tó Semedo ft philipe monteiro . Não tenho palavras para esta música por isso não vou comentar a relação, mesmo que possa ou não existir.
3- Como os teus amigos te vêem? Premier Love - Tony Parker ft rickwel. Vêem-me como o primeiro amor ahah LOL

4- Vais casar? More Than Words - Extreme . Pronto tabém :)

5- Qual é a música do teu melhor amigo? Torn - Natalie Imbruglia . LOOL sim de facto, esta sem duvida que seria a música de qualquer um dos meus amigos ahah

6- Qual é a história da tua vida? Don't Speak - No Doubt. Podia ser parte da história da minha vida ..

7- Como é que foi a escola secundária? Velha Infância - Tribalistas . Está a ser boazinha. LOL, não existe relação .

8- Como é que podes ir adiante na vida? My girl - Tiago Iorc . Porque é que não é MY BOY ? Que injusto de facto.

9- Qual é a melhor coisa nos teus amigos? Te Dedico - Tó Semedo . NADA A VER !

10- O que é está "in" esta semana? Bailaremos - Joyce. Uma música tão boa, podia calhar numa pergunta mais engraçada mas pronto. O que está a dar é bailar. O que vale é que estamos em época de Santos Populares.

11- Como é a tua vida? Red Red Wine - UB40 ft Bob Marley . Sim porque aquilo que eu faço após um desgosto é mesmo beber . Por amor a qualquer coisa.

12- Que música vai tocar no teu funeral? Ready Or Not - Fugees. NOOOOT, não estava preparada.

13- Como é que o mundo te vê? Lloro Por Ti - Wisin y Yandel Ft Enrique Iglesias . É capaz é ..

14- Vais ter uma vida feliz? Buzzin - Schwayze. Se a minha vida fosse como esta música, era tudo legalize :)

15- O que é que os teus amigos REALMENTE pensam sobre ti? Someday - Nickelback . Podia ter calhado noutra pergunta, mas neste caso não se relaciona ahah

16- As pessoas têm inveja de ti? O mundo muda a cada gesto teu - Valete. Hm, alguns talvez .

17- Como te podes fazer feliz? Sereia N'areia - Gylito . LOOL um kuduro faz milagres ahah

18- Com que música farias um striptease? Vampiris - Valete . Com esta música fazia muita coisa. Mas um striptease ? Não me parece.

19- Se um homem numa carrinha te oferecesse um doce, o que farias? A Thousand Miles - Vanessa Carlton. LOL preferia ir a pé e corria as mil milhas ahah

21- Qual é o teu segredo mais escuro e profundo? 5.3.7 CUBA - Orishas . Um segredo não digo, mas tem muito que se lhe diga ..

22- Qual é a música do teu inimigo mortal? Versos de Amor - Perfume. LOL nem sei que dizer

23- Como é a tua personalidade? Chasing Cars - Snow Patrol . Sem duvida alguma ..

24- Que música vai tocar no dia do teu casamento? Walou - Outlandish . Faço questão que toque .

25- Que música vai tocar na tua lua de mel? Wake me up before you go go - Wham. ahah mesmo a calhar ..

26- O que os desconhecidos acham de ti? Wherever you will go - The Calling . Nada a ver .

Faltam algumas perguntas, mas como disse copiei o desafio do blog FRAGMENTOS.

DanielaTeixeira

quarta-feira, 23 de junho de 2010

missing.



E já vai fazer um ano desde que tudo começou. Aliás penso que já tenha feito, embora estes tenham sido os melhores meses do ano passado. Não sei se é bom ou mau sentir que as coisas passaram assim tão depressa. Por um lado apetecia-me poder voltar atrás no tempo e pará-lo durante uns bons anos . Por outro penso que se nada passou dali, nem sei o porquê de querer tanto sentir aquilo tudo outra vez. Foi algo que não teve futuro , é verdade. Mas fez-me sentir tão, mas tão bem .. Tenho saudades. Aliás, tenho muitas saudades. Dizem que quando a saudade é demais, escorre pelos olhos. Já tive os meus momentos de desespero. Em que á noite era massacrada com memórias que não me deixavam e ainda hoje não me deixam dormir. Não por não gostar delas, e muito menos por achar que me fizeram mal, mas sim por terem sido coisas que me tocaram lá no fundo, coisas que adorei e que quero sempre que aconteçam novamente nem que seja só mais uma vez. Nunca pedi mais do que isso. Mas acabei sempre por me recompor. Tento sempre pensar que é apenas uma fase. Mas quando vejo o tempo passar e o sentimento a aumentar sem qualquer causa, fico extremamente assustada. Sinto medo. Mas logo vem algo que faz com que o perca, e que só o venha a sentir novamente, mais tarde. Sei que é um ciclo. Sei que vai sempre acabar e recomeçar, e que só daqui a muito tempo tudo irá acabar de vez. É uma questão de tempo, uma questão de paciência. Não é de facto o meu forte. Não costumo aguentar, quase que sufoco, mas tal como já salientei, acaba por acabar e recomeçar. Há coisas que nunca se esquecem, mesmo que algumas delas possam ou não ser insignificantes, não se esquecem. Precisamente por uma palavra, um gesto, uma imagem, algo visto , que faz com que acabemos por criar uma recordação que para sempre nos deixará saudades. É um dos piores sentimentos do mundo , e não o digo por isto que aqui estou a falar. Tenho casos muito mais específicos de como é extremamente doloroso lidar com ela. E é aí que oiço vozes que me dizem : “ vai passar ! sabes que é uma questão de tempo, não é o que sempre dizes !? “. Mas se todos passássemos da teoria á prática não haviam este tipo de respostas das quais estou farta , mas farta de ouvir. Eu sei que é o que tenho de fazer, mas as circunstâncias não são as melhores, os tempos são outros, e a força já é escassa. No entanto, ainda acredito em mim.

A casa da saudade chama-se memória : é uma cabana pequenina a um canto do coração.

DanielaTeixeira